4Segundo Freud, o fetichismo consiste em transferir todo o desejo para apenas uma parte. A podolatria (não adianta procurar a palavra, não existe no Aurélio, equivocadamente chamada de pedolatria pela maioria das pessoas) é um exemplo clássico desse conceito:o podólatra concentra seu desejo, que em tese deveria ser direcionado ao outro por inteiro, em apenas uma parte: os pés. E por extensão, a objetos ligados diretamente a essa parte do corpo como sapatos, sandálias, meias etc.

O simples fato de você curtir o pezinho bonito e bem cuidado não constitui nenhum problema. Existem gradações nessa forma de fetichismo, indo desde a simples “atenção especial” dedicada àquela parte do corpo até a situação extrema de indivíduos que só conseguem o orgasmo no contato do órgão sexual com os pés de outra pessoa. Quando chega a esse ponto, o indivíduo precisa de tratamento psicológico.

O problema do podólatra de carteirinha é que para ele, quase sempre, o pé basta.

Curiosamente, esse é um fetiche quase que exclusivamente masculino.
Mulheres com este fetiche são uma raridade. Mas, como tudo na vida tem sua contrapartida, existem muitas que sentem prazer verdadeiro em ter seus pés acariciados. O problema é que enquanto que para o podólatra o contato com os pés da parceira chega a substituir o ato sexual, para elas isso é apenas uma fonte adicional de excitação.

Há quem curta, especialmente pés calçados com sandálias abertas e de salto bem alto. Outros, se deliciam cheirando, beijando ou lambendo os pés da mulher amada.
Os psicólogos dizem que existe nisso tudo um componente masoquista –
figurativamente, estar aos pés de alguém é sinônimo de submissão – cuja
manifestação mais forte seria alguém sentir prazer em ser pisado no rosto,
no peito e nos genitais.
Em algumas religiões, o cerimonial de lavar os pés significa purificação, do corpo e do espírito. Em outras, como no cristianismo, é um ato de humildade e resignação. No amor, desde a antiguidade, significa a preparação também do corpo e do espírito para o ato sexual que se seguirá.
A podolatria é um fetiche muito comum. Provavelmente por não infringir nenhuma regra de convivência social nem envolver risco físico para as pessoas que o praticam.
Portanto, se você adora um pezinho e sua parceira ou parceiro topa participar do seu jogo vá fundo, o importante é o prazer para ambos.

Ele não está muito aí para o restante do corpo.

Você sabia que existe um dia especial para você ?
O dia do podólatra
é comemorado no dia 02/10, pois a data representa dois pés e dez dedos.

Ser podólatra é ser submisso ?
Um erro comum é pensar que podolatria e a fantasia da submissão são uma coisa só. Não é porque o cara prefere olhar um pé a um par de peitos que faz desse indivíduo um masoquista ou submisso.

A podolatria é um fetiche ?
Um podólatra pode até ter a fantasia da submissão, mas não necessariamente. Por outro lado um masoquista submisso, se for ordenado pela Dominadora a lamber suas solas, mesmo (ou principalmente) odiando este ato, esta humilhação será o ápice do seu prazer.